segunda-feira, 27 de maio de 2013

Cenário político para 2014 depende do rumo que o PMDB tomar no final do ano


Segundo análise do jornal O Mossoroense, na atual conjuntura política do Rio Grande do Norte o controle das articulações está nas mãos do PMDB. Nenhuma liderança se movimenta sem levar em consideração a possibilidade de uma aliança com o partido.

Isso se deve à posição dúbia da legenda. De um lado o ministro Garibaldi Filho e os deputados estaduais criticam a governadora Rosalba Ciarlini (DEM). Do outro, o presidente da Câmara dos Deputados, Henrique Alves (PMDB), faz coro às críticas, mas defende a manutenção da aliança.

Por conta desse cenário, todos esperam pelo PMDB. O caso do PT é emblemático. A legenda abriu uma rodada de conversas com os partidos de oposição. Já esteve com PC do B, PDT, PSB e PSD. O PMDB sempre esteve na pauta e a expectativa sobre uma conclusão da conversa sempre terminou condicionada à legenda.

A indefinição do PMDB é um fator que atrapalha a vice-prefeita do Natal, Wilma de Faria (PSB). Ela fala em ser candidata a deputado federal, mas seu desejo é disputar o Governo do Estado. Em conversas reservadas, ela tem dito que só não disputaria a chapa majoritária se Garibaldi não for candidato.

O PT também tem seus anseios junto ao PMDB. A legenda tem como projeto principal em 2014 levar a deputada federal Fátima Bezerra ao Senado. Para isso conta com o apoio peemedebista. O PT estaria disposto a apoiar um nome do partido para o Governo do Estado em troca do apoio à petista.

O vice-governador dissidente Robinson Faria (PSD) também está em compasso de espera. Ele quer disputar o Governo. Tem dito que o PMDB seria fundamental para o projeto dele. Ele já deu declarações afirmando que estaria disposto até a abrir mão de ser cabeça de chapa para um nome do PMDB sob o argumento de que não quer se impor como candidato.

Até mesmo partidos governistas estão à espera do PMDB. No PR, o deputado federal João Maia já declarou que em 2013 não discute rompimento. Todos sabem que ele vai para onde o PMDB for e está dando um tempo.

O presidente da Assembleia Legislativa, Ricardo Motta, e Raimundo Fernandes, que estão de saída para o PP (legenda que já anunciou que não faz parte do governismo), tanto podem ficar com a governadora quanto com o PMDB em caso de rompimento. Neste caso a tendência é que eles acompanhem o PMDB porque o governo estaria enfraquecido.

Nenhum comentário:

Postar um comentário